Björk e a superação da separação

Mais um trabalho do curso: crítica ao novo disco da Björk. Foi preciso superar a falta de conhecimento a fundo da obra da senhora, mas acho que tendo em conta o tempo disponível até não ficou muito mau. Aqui está ele:

Em Vulnicura (One Little Indian, 2015), Björk regressa com um disco mais pesado e mais pessoal. Com a ajuda dos co-produtores Arca e The Haxan Cloak, a islandesa enfrenta a dor da separação do artista Matthew Barney através de um conjunto de canções mais cruas e directas do que aquilo a que já nos acostumou.

Inicialmente previsto para Março, Vulnicura, apareceu ilegalmente na internet no final de Janeiro e Björk acabou por lançá-lo de imediato no iTunes. Num texto publicado na sua página de Facebook, a artista assumiu que lançar um disco desta natureza (um breakup album) lhe pareceu de início como um pouco “auto-indulgente,” mas que mais tarde se apercebeu que poderia ser “uma ajuda, uma muleta para outros”, provando o quão biológico é o processo de cicatrização da ferida física e psicológica provocada pela separação.

Durante nove intensas canções, é precisamente isso que Björk comprova. A dor que resulta do processo de separação de um casal, de uma mãe que vê a sua família desmoronar-se. Desengane-se quem ache que, por ser um heartbreak album, Vulnicura é tristonho e melancólico. Há, obviamente, momentos de maior vulnerabilidade, mas há também momentos de extraordinária força. Não no seu sentido mais tradicional, mas sim a força de uma mulher que expõe as suas inseguranças, os seus medos e frustrações de forma tão clara (“These abstract complex feelings/ I just don’t know how to handle them”, ouve-se em “Lionsong”).

Tema sempre presente no disco, a família surge como o sonho que morreu, e os momentos mais sensíveis são precisamente sobre a filha, como canta em “Family”: “How will I sing us/ Out of this sorrow/ Build a safe bridge/ For the child out of this danger”. Em entrevista à Pitchfork, Björk assumiu que as mulheres são muitas vezes a cola que faz tudo permanecer junto e intacto, um trabalho invisível que diz não ser suficientemente reconhecido.

Desde sempre ligada à questão da igualdade de género (por militância da mãe que, conta, se recusava a entrar na cozinha) a islandesa falou da “batalha contínua” que as mulheres no mundo da música travam para serem respeitadas tanto quanto os homens. Em causa estava o facto de muita imprensa ter assumido que Arca era o produtor de Vulnicura, assim que Björk anunciou que o produtor venezuelano tinha colaborado no disco. Este tipo de confusão não é novidade para a artista que já em Vespertine (2001) tinha visto o seu trabalho de produção ser mal creditado.

Em “Notget”, já a meio do disco, ouvimos “Don’t remove my pain/ It is my chance to heal”, que à partida nos soa como uma honesta forma de aceitar a necessidade de enfrentar a dor como caminho para a superação. No entanto, Björk admite que passagens como essa são tentativas de se auto-aconselhar, de dizer a si mesma que vai ser capaz de ultrapassar aquela situação.

Num disco que foi claramente feito como exercício de catarse nada fácil, os beats de Arca e The Haxan Cloak servem de acessório aos arranjos de cordas e às letras íntimas de Björk, que trocou a sofisticação sonora pela emoção mais crua, por canções num formato mais tradicional. Vulnicura pode não ser um grande disco, mas não deixa de ser uma bela sessão de terapia.

 

Advertisement

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s