há zê (ou ei zee para os camones)

“-Amanhã o Markl vai à Fnac do Colombo! ‘Bora?
-‘Bora!”

Ridículo ou não, começou mais ou menos assim. A culpa é da Susana, claro. Quer dizer, o Markl também leva algumas culpas no cartório porque eu não teria ido à Fnac naquele dia se não fosse para o ouvir dizer parvoíces.

Adiante. Fui, foi muito giro. Era a apresentação do DVD do Mulheres, Motas e Cavalos, coisa de que eu já tinha ouvido falar. Foi o Markl e foi o Miguel Araújo, o rapazito autor daquela canção-que-até-tinha-piada-mas-da-qual-a-minha-mãe-se-estava sempre-a-queixar e que por acaso também tocava naquele-conjunto-dos-aviões-que-a-Filipa-muito-estimava. No final fomos lá falar, aproveitei e pedi um autógrafo ao Miguel para a Filipa, e depois fui com a Susana chatear o Markl e falar-lhe do Tim Minchin.

Fui para casa e no espaço de… quê, 3 dias? estava viciada no álbum a solo do rapaz. Mais uns dias e viciei n’Os Azeitonas também. Olha que lindo! O facto de a Susana ser super fã deles só ajudou ao vício (e ao fangirling, que alimentou toda uma conversa durante uma viagem de 5 horas até Braga, para ver Kaiser Chiefs).

Uns dias depois dessa épica viagem houve Globos de Ouro, e foi nesse dia que descobri Os Azeitolas, muy nobre comunidade (oficial!) de fãs d’Os Azeitonas. A partir daí…. foi o descalabro, pois claro está. Mas o pior foi mesmo quando marcaram concerto para Tires. Ali mesmo ao pé de Lisboa? Ora bolas, lá iria ter de ser.

A primeira ‘aventura’. Nesse Domingo, depois de almoço, apanhei o 58 com a Susana e fomos até ao Cais do Sodré, apanhar o comboio para a Parede. Lá, apanhámos um taxi até às Festas de Tires. Esperámos pelo soundcheck – que pôs o alarme de um carro a tocar – partimos-nos a rir com a letra da Whatever, e rebentámos bolas de sabão a cantar a Ray-Dee-Oh. Tudo certo. Uma hora antes do concerto começou a chover. E continuou durante boa parte da função.
Tenho 100% certeza de que nunca teria ficado tão fã de AZ se não tivesse ido àquele concerto. Durante umas duas horas, ri mais do que cantei e dancei mais do que saltei. Foi lindo. Saí de lá tão, mas tão feliz.

No dia a seguir soube que fui escolhida para fazer voluntariado no Portugal ao Vivo. A sexta-feira seguinte foi passada no Estádio do Restelo.  E, apesar do meu turno só começar às 21h, apresentei-me ao trabalho às 18h. Por que raio? Um tal de Miguel Araújo tocava às 19h… Formou-se ali um spot na primeira fila só de Azeitolas: eu, o Nuno, a Catarina, a Filipa e a Sara até fizemos mini-cartaz para o senhor. Depois eles foram falar com “o senhor” e eu fui trabalhar. Bah.

(já me parece uma aventura Azeitola bastante boa, vai acabar aqui, não vai?
não. a gaja ainda foi a mais dois concertos na semana a seguir.
a sério? porra…)

Uma semana depois do Portugal Ao Vivo estava de viagem para Ferreira do Alentejo com o meu pai. No dia a seguir, os Azeitonas tocavam… em Ferreira do Alentejo. Coincidências da vida.
Feira da Água e do Regadio, cumprimentar pessoas de 5 em 5 minutos porque “olha, a prima!”, “ooooh, colega de escola!”, “então, senhor armindo?”.
Muito muito pouca gente. E eles excelentes como sempre (como sempre? mas tu só os viste uma vez!!). E eu para sempre a fazer figuras a dançar com o meu pai. Coração cheio mais uma vez. Dali a 5 dias havia mais. Quê?! Pois.

Primeira sexta-feira de Julho. 15h40, apanhei o autocarro para a Batalha com a Raquel. Lá apanhávamos um para o local da função. A Filipa ia ter a Porto de Mós. Às 17h25, o motorista diz que quem vai para Porto de Mós deve sair ali para trocar de autocarro. Ok. Saímos. Autocarro nada. Pessoas nada. Só carros. Uma estrada. Uma paragem. Umas coisas em obras lá ao fundo. Umas casas do outro lado. Olha que giro. A nossa sorte foi que a Filipa não estava muito longe e foi-nos buscar. 19h20, Porto de Mós e os hornsters a fazer soundcheck. Le timing maravilhoso.
A Feira de S. Pedro não tem grande piada. Mas tem cavalos. E Porto de Mós só tem cafés numa rua, difícil é encontrá-la.
Imensa gente, nós na primeira fila. Festa absoluta. Tudo lindo. O orgulho de levar alguém que não conhece AZ a um concerto e essa pessoa ter adorado.

Dia 26 é capaz de haver mais. Dia 28 de Agosto há quase de certeza. Até lá, vai-se vendo. Não sei. A culpa é da Susana. (e do sacana do Markl!)

Advertisement

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s